Os benefícios psicológicos de jogar videogame - Parte 1

Atualizado: Mai 14

Estima-se que 82% da população entre 13 e 59 anos no Brasil jogue videogame. A popularidade dos games não é uma novidade. Desde os anos 80 com a popularização da Atari no planeta, o brasileiro tem buscado maneiras de "consumir games" como forma de lazer e entretenimento no dia a dia.


Os jogos de videogame sempre tiveram como seu principal foco a diversão. Afinal, quem nunca se divertiu com amigos ou com a família jogando videogame em casa? A geração dos anos 90 se divertiu com jogos marcantes como Super Mario, Sonic, Zelda, Donkey Kong, Doom e 007; A geração 2000 conheceu Counter Strike, Ragnarok, League of Legends, GTA e Call Off Duty logo na primeira década.


Foram tantos jogos que torna-se impossível listar todos aqueles que marcaram a vida das pessoas e que são jogados até hoje. E vale lembrar que a proposta de diversão por trás de cada game foi o que impulsionou essa popularização. E é justamente esse caráter lúdico que as pesquisas tem tratado com tanta importância.

Super Mário World
Counter Strike
The Legend of Zelda: A Link to The Past

Porém, ainda escutamos falar apenas dos possíveis efeitos negativos dos videogames na saúde das pessoas, em especial de crianças e adolescentes. Para a Dra. Isabela Granic, este é um problema que merece atenção, pois os diversos estigmas que hoje estão relacionados ao videogame e seus jogadores é reflexo desta busca incessante por seus impactos negativos. Por este motivo, nos últimos cinco anos a produção científica sobre os benefícios dos jogos tem crescido e visado a desmistificação destas informações. Na área da saúde, por exemplo, há uma revista científica dedicada exclusivamente ao assunto: A Games for Health Journal.


Algumas justificativas são relevantes para estudarmos os benefícios de jogar videogame, entre elas, destacaria estes fatos:


1. Grande parte da população é jogadora de videogame e a perspectiva para os próximos anos é de crescimento e maior acesso ao mundo dos videogames.


2. É inegável que os jogos demandam o uso de habilidades psicológicas, logo, seria um erro ignorar tal fato e voltar-se apenas para a identificação de malefícios.


Em resumo, não há necessidade de combater um hábito enraizado no cotidiano da população. É saudável buscarmos compreender como os videogames são bons para orientar as pessoas sobre seu uso da melhor forma possível.


Mas vamos ao que interessa: Falarei sobre alguns benefícios que tem gerado discussão entre os cientistas. Seguirei o pensamento da Dra. Isabela Granic e abordarei o assunto a partir de 4 benefícios divididos em dois artigos: Este primeiro abordará os benefícios cognitivos e motivacionais; O segundo abordará os benefícios emocionais  e sociais


Os benefícios cognitivos


Estudos sobre efeitos positivos dos games tem apontado o desenvolvimento de habilidades cognitivas, tais como o atenção, percepção espacial, resolução de problemas, criatividade e raciocínio lógico.

Melhora da atenção, memória e percepção espacial: As pesquisas tem indicado que, principalmente em jogos de ação (violentos e não violentos), as habilidades relacionadas com a atenção, memória, percepção espacial são beneficiadas.


Pesquisadores acreditam que a possibilidade ofertada pelos jogos de analisar ambientes complexos, memorizar cenários e agir de forma rápida e com precisão contribuem para o desenvolvimento destas habilidades.


Mas o interessante disso tudo é que estes benefícios parecem se estender para tarefas do cotidiano que exijam as mesmas habilidades. Tente imaginar profissões ou tarefas que exijam uma boa percepção do espaço ao seu redor e muita atenção. Conseguiu?


Caso sim, para estas situações as pesquisas tem demonstrado que os jogos são potencialmente benéficos. Jogos como Rainbow Six e Call Of Duty tem demandado o uso destas habilidades.


Observação: Sobre os jogos de tiro, pesquisadores tem sugerido o abandono das ideias simplistas de que este gênero dos jogos tem impactos negativos na saúde e nas relações sociais. Indicam a necessidade equilibrar os estudos com impactos  negativos com as evidências sobre os benefícios dos mesmos jogos.


Melhora na capacidade de resolução de problemas e raciocínio lógico: Designers de jogos dificilmente oferecem muitas dicas sobre "o que fazer" nos jogos. Mecanismos básicos são ensinados, porém, todo o trabalho reflexivo que envolve reunir informações, avaliar opções, formular planos e montar ou modificar estratégias é deixado para o jogador que passa a exercitar com frequência o seu raciocínio lógico.


Já parou para pensar quais tarefas do dia a dia exigem esse trabalho reflexivo para tomar cada decisão?


Uma pessoa que procurar organizar bem sua viagem de férias costuma seguir estas mesmas etapas acima: Reunir informações, avaliar opções, elaborar planos e colocar as estratégias em prática para garantir que a viagem aconteça. De forma similar um gerente procura resolver problemas em uma organização ou um jovem avalia suas opções de ingresso em uma faculdade.


The Legend Of Zelda, Worldwarcraft, Final Fantasy e Age Of Empires estão entre alguns dos jogos que podem beneficiar essas capacidades.


Melhora da criatividade: As evidências mais novas tem identificado melhora no potencial criativo de crianças e adolescentes que jogam diferentes tipos de jogos. O mesmo não é identificado, por exemplo, no uso indiscriminado de outras tecnologias como telefone de celular e computador.


Exemplo disto são os resultados da pesquisa da Dra. Linda Jackson que tem demonstrado que o envolvimento que os jogos proporcionam tornam as crianças e adolescentes mais criativos.

Minecraft

Na Espanha, a Dra. Mirian Checa-Romero realizou estudo com 85 alunos do 1º ano do ensino médio inserindo o Minecraft no ambiente educacional. Após um workshop de 8 semanas, a pesquisadora identificou um aumento significativo da criatividade dos jovens em um teste, demonstrando a possibilidade de uso dos jogos no processo de aprendizagem nas escolas.


Por outro lado, uma das questões ainda não respondidas pelos estudos sobre criatividade e videogame é: Jogadores de videogame tornam-se criativos ou pessoas criativas se interessam pelos videogames? Apesar da questão que merece ser alvo de pesquisas, as evidências sobre a influência positiva dos videogames na criatividade estão se tornando mais robustas.

Por fim, a conclusão tem sido de que os jogos promovem melhoras significativas nestas habilidades em curto prazo, de forma significativa e duradoura. A transferência delas para o cotidiano também é uma realidade e pode afetar positivamente a vida das pessoas. A razão disso? Tem sido atribuída à expansão das conexões neurais proporcionadas pelos videogames.


Porém, não tem sido descartada a necessidade de pesquisas constantes que considerem as mudanças rápidas e frequentes no mundo dos games.

Os benefícios motivacionais


Diferente dos benefícios cognitivos, os benefícios motivacionais são mais difíceis de descrição na literatura. Aqui abordarei 3 impactos positivos na dimensão motivacional: O desenvolvimento da resiliência, a promoção de um estilo motivacional persistente e otimista e o desenvolvimento de atitudes positivas frente ao fracasso.

Dragon Ball Z Kakarot

Desenvolvimento de resiliência: Entendemos por resiliência a capacidade de um pessoa de adaptar-se às mudanças. Isto pode envolver a superação de problemas, suportar situações de estresse e pressão. Os jogos que envolvem feedback com pontos, oferecem desafios como puzzles e a sensação de chegar em um beco sem saída durante o jogo estão entre os jogos que possibilitam ao jogador exercitar sua resiliência. Além disso, a possibilidade de escolher níveis de dificuldades na maioria dos games é algo favorável, pois o jogador tem a possibilidade de iniciar suas partidas em modos mais fáceis e em outro momento iniciar um novo jogo com novos desafios ao subir o nível de dificuldade.


Porém, destaco outro aspecto que aparenta não ser tão explorado pelas pesquisas sobre videojogos (mas em estudos sobre Animes há algumas discussões): O mito do herói. São inúmeros os personagens que vivenciam dificuldades nos jogos e precisam superá-las. A resiliência sempre é central nessas experiências e os designers tem desenvolvido os jogos justamente para que você se sinta na pele a vida do personagem.


Anime Jungle Party em Manaus - Mônica Dias (G1/AM)

Um exemplo disso tem sido a valorização do Cosplay na cultura gamer. Os cosplayers costumam "emprestar" as vestimentas e até o vocabulário de seus personagens favoritos e frequentar locais de encontro da comunidade que vão desde locais públicos aos grandes eventos de animes e games.


Alguns estudos tem demonstrado que essa cultura tem criado comunidades que favorecem a resiliência de seus frequentadores e a ligação com as características dos personagens dos videogames me parece ser algo fundamental.


Além disso, em alguns jogos é permitido até que você dê seu próprio nome ao herói, não é?


Promoção de um estilo motivacional persistente e otimista: Esse é um benefício identificado pelo pesquisador americano, Matthew Ventura. Sua pesquisa mostrou que jovens que jogavam videogames com alguma frequência foram mais persistentes e otimistas na tentativa de solucionar um problema. Além disso, seus estudos tem correlacionado que este perfil de persistência e otimismo nos jogos pode ser generalizado para contextos educacionais e de trabalho.


Os estudos tem indicado que essa persistência e otimismo parece ser "treinada" através de mecanismos de aprendizagem que envolvem tentativa e erro, além da intensidade do esforço feito no jogo.


Em outras palavras, o jogo impulsiona o jogador a resolver um desafio de diferentes maneiras e ao solucioná-lo (ou não) terá certa recompensa e assim continuará. Escolas costumam utilizar metodologias similares para manter alunos motivados e otimistas quanto ao seu desempenho. O diferencial que as pesquisas tem apontado é que aparentemente adolescentes que jogam videogame tendem a persistir por mais tempo e com mais otimismo em uma tarefa desafiadora.

Vai dizer que nunca pediu revanche?

Desenvolvimento de atitudes positivas frente ao fracasso: Os estudos de Ventura tem indicado outro importante benefício para motivação, dessa vez relacionado ao fracasso. Diferente do que imaginavam, os seus estudo com jogos tem demonstrado que os jogadores não costumam responder ao fracasso com o sentimento de raiva e frustração, ao contrário do esperado, o fracasso pode gerar entusiasmo e interesse por reverter a atual situação no jogo.


"Vou tentar de novo, dessa vez dará certo, foi quase!".


Matthew tem considerado que essas experiências relacionadas com a motivação podem produzir significativa sensação de bem-estar, melhora na autoestima, além de experiências emocionais positivas. Porém, alerta que é preciso levar em consideração o estilo de jogo e a personalidade dos indivíduos para ter experiências positivas.

Enfim, não vamos parar por aqui, tá bom?


A Dra. Isabela Granic tem mostrado que os benefícios psicológicos de jogar videogame também se estendem aos aspectos emocionais e sociais.


"Quais são os benefícios emocionais e sociais de jogar videogame?". Essa questão abordarei na segunda parte deste artigo.


Te aguardo até lá!





37 visualizações

©2020 por Psicologia do Atleta - Matheus Vasconcelos